Tomorrowland e os Adultos Não Sabem Nada

Lutei muito nos últimos meses para iludir qualquer menção a Tomorrowland. Tapava os olhos durante trailers no cinema, e não li/vi nenhuma crítica na íntegra porque queria evitar que minha opinião quanto ao filme se formasse cedo de mais. A verdade é que reviews e análises da mais recente longa-metragem de Brad Bird têm sido mistas ou completamente negativas; por vezes portadoras de uma aversão colérica que não consigo entender.

Porque, sim, Tomorrowland é imperfeito e o estruturalmente equivalente a um ovo mal cozido, mas também é o derradeiro testamento de que os adultos, por mais que realmente percebam do mundo e das coisas, não sabem é nada.

536363

Não falo apenas em relação às críticas que o filme tem tido, mas à narrativa em si. Tomorrowland apresenta-nos uma realidade paralela, na qual mentes brilhantes como Thomas Edison e Nikolas Tesla construíram junto com Eiffel a homónima torre para funcionar como uma antena gigante e uma nave espacial para outra dimensão. Esta dimensão steampunk albergaria os cientistas e engenheiros da Terra; aqueles que pudessem construir um futuro melhor para os plebeus. É uma filosofia objetivista e elitista de uma sociedade utópica que não se chega a concretizar, ou seja, devolve para uma distopia clássica (embora sub-explorada) parente de Orwell ou Huxley.

Britt Robertson é altamente cativante como Casey Newton, uma jovem geek que vive com o seu pai e o seu irmão (não sabemos da mãe) e sonha um dia explorar o espaço, assim como resolver todos os problemas da Terra. É talvez a questão central da história: Casey está farta de ouvir que o seu planeta está em apuros, que as cheias nos vão devorar, os furacões nos destruir; ela quer é arregaçar as mangas e descobrir uma forma de acabar com esses desastres. É uma mulher de armas nerd, com um sentido de humor juvenil oriundo da sua mente demasiado perspicaz.

A certo ponto, Casey descobre um pin que, ao ser tocado, a transporta para uma realidade diferente. Bird tem um sentido de geografia fantástico: este tipo de viagem inter-dimensões seria demasiado confuso para o espetador se o homem por detrás da câmara não soubesse como indicar as transições. Senti-me que nem uma criança durante estas partes, a descobrir bugigangas futuristas, a absorver nova informação do fantástico. Apoderou-se de mim um sentido de imaginação infinito, que a certa idade nos esquecemos de ter. Não foi nostalgia; antes um redescobrir da minha própria mente.

74748

Agora, o final do filme é ridículo. Os últimos 20 minutos são tão comprimidos e apressados que mal somos apresentados ao vilão já estamos a partir para a resolução climática e temática assim como o fim do arco narrativo das personagens; aqui, Bird mostra estar mais preocupado com a mensagem do que com a história que envolve essa mensagem. É um erro crasso que deixou um sabor amargo na língua da crítica geral, e com razão.

Mas 1/3 do filme não anula os anteriores dois terços. Pode consolidá-los ou torná-los mais consistentes em retrospetiva, mas nunca apagá-los. E não acho que Tomorrowland o faça; apenas se perdeu no meio da força criativa de Bird e de Lindelof (o argumentista) e das intenções comerciais do estúdio (a dita cuja Disney), e não encontrou o caminho para o final dramático que o resto do filme pedia.

Outra das críticas é que o apogeu central, o mundo de Tomorrowland em si, é extremamente apelativo mas ultimamente decepcionante. É outro reparo que consigo entender até certo ponto, porque afinal de contas é esse o propósito do filme. Não é uma sociedade intrinsecamente elitista que vai resolver os problemas da Terra; de facto evoluíram tecnologicamente para encontrarem uma espécie de prolongamento de vida e um bando de robôs subservientes, mas como homens e adultos que são, perderam-se na sua própria húbris e derrubaram a sua própria ideia de Utopia. É normal que o futuro desiluda: é uma criação míope de uma humanidade decadente.

A verdade é que Tomorrowland é um filme-mensagem, à laia das ficções-científicas de Spielberg e do cinema mais optimista de cultura pop dos anos 60/70. No seu núcleo anti-apocalíptico, pretende que nós como audiência entendamos as repercussões de nos fechar à cultura negativista e ostracizante do mundo ocidental, dos Walking Deads e semelhantes (apesar de ser uma noção ultrapassada duas semanas depois do lançamento do novo Mad Max), para passarmos a aspirar a um positivismo categórico e inabalável, que galvanize o sentido de descoberta dos mais novos e os inspire a algo mais e melhor.

É um ideal nobre e um que me deixou a mim, adulto maníaco-obsessivo, entusiasmado com a visão de um presente onde aprendemos a resolver os problemas, não só a sua definição. Digamos que Tomorrowland, seguindo a analogia super-heróica da berra, é um filme para Super-Homens, não para os Batmans deste mundo. Apesar do final estupidamente explosivo, acarreta uma mensagem que não só os mais novos, mas também os adultos, devem ouvir e digerir.

Está longe de ser perfeito, mas não vão ter outro filme de verão tão original como este.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s