Star Wars e a nostalgia da infância

234865Lembro-me de quando vi a Guerra das Estrelas pela primeira vez. O meu pai tinha o VHS atirado para um canto, sujo de pó. Na altura, acho que nem sabia mexer no vídeo e no comando, mas lá acabei por enfiar a cassete com sucesso. Não me sentei no sofá: encostei-me à sua parte inferior, de pernas à chinês, com a boca semi-aberta a observar o rastejar amarelado dos créditos iniciais.

Já sabia que o Darth Vader era o pai do Luke (sendo este o segredo mais mal guardado da história do cinema), mas tal só veio acentuar a dinâmica complexa entre pai e filho tão nuclear à saga. Também andei à procura do pequeno bicho verde o tempo todo, ignorante do facto de que Yoda não aparece em A New Hope (1977). Esta memória é tão universal que há sem dúvida outros milhões de rapazes e raparigas que partilham dela, ou de algo muito semelhante.

No entanto, o que é particular a cada um de nós, fãs da indiscutível rainha das sagas espaciais, é a forma como esta moldou as nossas infâncias. Se calhar pegámos numa caneta e escrevemos fan fiction das aventuras do Han Solo, ou então comprámos todas as action figures do Toys’r’us mais próximo e estragámo-las à pancada no quintal. Se calhar recriámos as cenas da trilogia original, ou imaginámos novas aventuras para os nossos heróis favoritos. Eu tinha um despertador do R2-D2 na mesa de cabeceira que nunca funcionava, mas adorava imaginar o seu beep-beep ao acordar.

Summer ’78 é uma curta-metragem sobre a magia de Star Wars. É também uma cápsula do tempo, um fóssil de uma época mais simples, sem facebooks, telemóveis ou internet, em que os únicos videojogos caseiros que jogávamos eram aqueles que criávamos no nosso quintal. Um tempo em que a canalha saía à rua para brincar, berrando explosões e misturando franchises numa despreocupação efémera e infantil.

Mais do que isso, este pequeno filme conta-nos a história de um jovem rapaz a brincar no dito verão de ’78, um ano após a estreia de A New Hope, e de como essa experiência o influenciou para toda a vida. É uma história curta mas mágica, de como meros brinquedos podem inspirar toda a carreira de uma pessoa.

Mas quem é esse rapaz? Vejam o filme, e descubram.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s