Quem disse que o cinema era só superheróis?

Algo que magoa a alma do casual snob cinéfilo é a arremetida infinita de filmes de superheróis daqui até 2020. Em pouco mais de 5 anos, vamos ter aproximadamente 26 filmes de capas e ação extra-colorida a ocupar os nossos ecrãs. Comparativamente, 2015 foi a calma antes da tempestade, com apenas três longas-metragens a estrearem sem grande pompa.

A segunda team-up d’Os Vingadores surgiu e sumiu num abrir e fechar de olhos, arrecadando um belo bilião de dólares que mesmo assim ficou aquém do auge económico alcançado pelo seu antecessor. Apesar do box-office colossal, a cultura pop não foi abalada como em 2012. O Homem-Formiga conseguiu umas notas dignas do seu modesto nome, e do desastre fantástico do Quarteto principal da BD nem se fala.

Já para o ano que vem estão agendados sete filmes, mais do dobro. 2015 serviu para depurar o paladar, servindo umas entradas neutras e inconsequentes ao mesmo tempo que nos inundava a consciência de trailers, imagens e opções de casting para filmes que provavelmente ainda nem têm um guião pronto. Este ano vivemos mais do futuro do que do presente propriamente dito: a nossa atenção coletiva focou-se tanto na inundação vindoura de superheróis que nem nos apercebemos do quão refrescante foi 2015 para o cinema.

645747434

Caso em questão: os estúdios da Universal atingiram a marca dos 2.1 biliões de dólares (domésticos, 5.53 brutos) agora em Agosto para o ano de 2015, e ainda faltam quatro longos meses repletos de grandes lançamentos. É um número significante porque quebrou recordes, e a soma dos vencimentos de estúdios como a 20th Century Fox ($754m), Paramount ($523), Sony ($309m), Lionsgate ($269m) e The Weinstein Company ($238m) não chega para ultrapassar o mastodonte monetário da Universal.

Ora, datas orçamentais e números não interessam a ninguém, mas refiro isto porque a Universal atingiu essas proporções épicas sem nenhum filme de superheróis na sua chancela cinematográfica.

É certo que o seu sucesso recai em blockbusters como Velocidade Furiosa 7Mundo Jurássico (que passaram a marca do bilião de dólares universal), mas filmes como Pitch Perfect 2, aquela abominação erótica das cinquenta sombras e a explosão recente do Straight Outta Compton (que vá-se lá saber porquê ainda não chegou às salas nacionais) arredondam um catálogo bastante variado, relativamente a um mundo supostamente dominado pelo spandex e super-força de homens brancos.

7475474

O mais importante a reter disto é que, ao contrário da sabedoria popular, aquilo que triunfou este ano na bilheteira foi a diversidade, seja no elenco grandioso da equipa de Dominc Toretto, na equipa acapella das Barden Bellas ou na atitude fuck tha police dos N.W.A. de Compton. Mundo Jurássico é o único filme com um típico cavaleiro andante no seu núcleo, mas foi bastante criticado pela sua atitude para com as personagens femininas.

Para além disso, o género dominante de 2015 é o dos espiões: Kingsman, o novo Missão:Impossível, o próximo 007; só nas semanas que vêm vamos assistir a estreias como American UltraO Agente de U.N.C.L.E., autênticas peças de ação sem nenhuma chicanice do Loki. Isto tudo sem referir o facto de que Homem-Formiga subverte o estilo de super-espionagem para a sua trama cookie-cutter da Marvel, ou que O Quarteto Fantástico é mais hard-sci-fi que outra coisa.

De facto, o que a maior parte dos críticos superficiais de cinema super-heróico não entende, é que a estrutura da banal história de origem mesclada com a pontual team-up vai desaparecer nos próximos anos, em prol de enredos mais complexos e variados, assim como caras que diferem do constante Homem-Aranha ou do primo Batman. David Ayer vai-nos trazer uma peça anárquica de caos gangster em Suicide Squad; os Irmãos Russo aprontam-se para colocar o Homem de Ferro e o Capitão América em lados opostos de uma guerra civil, e Deadpool promete a desordem violenta de um filme de ação rated-R bastante consciente das suas próprias limitações.

Não ligo à atitude pseudo-intelectual que povoa muita da discussão de cinema hoje em dia, mesmo aquela que pretende ser superior ao casual blockbuster incontornável. Acho-a destrutiva; uma tendência agressiva para alienar um universo tão vasto e diferente como o do cinema, capaz de suportar o mais variado dos espetadores, o mais inteligente dos cinéfilos.

Desde o noir ao western ao filme de ação, o cinema sempre teve um género predilecto, e sempre levou bofetadas verbais durante o seu transitório reinado. Ao contrário destes, no entanto, a época dos superheróis é a mais variada, a mais consistente, e a que tende a se tornar cada vez mais progressiva e universal. Venha daí o negro Deadshot, a badass Wonder Woman e a nação estrangeira de Wakanda para calar os detratores de uma suposta estagnação que, em boa verdade, não existe.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s