J.J. Abrams e Perdidos (2004)

Jeffrey Jacob Adams (*) é aquele gajo da ficção de género. Ele tem a mão em praticamente todas os franchises de ficção científica da última década, seja uma produção de Hollywood como Star Trek (2009), ou um programa de televisão como Sob Suspeita (2011-), ou Fringe (2008-2013).

O cineasta começou a sua carreira como compositor e guionista para alguns filmes dos anos 90 como O Regresso de Henry (1991), ou o thriller apocalíptico Armageddon (1998). Então em 2001 fundou a sua companhia de produção Bad Robot, e desde aí que tem composto a música de séries como A Vingadora, Alcatraz, Revolution Almost Human (para além de as produzir).

(*) Cuja retrospetiva da sua obra iniciamos com este artigo. Star Wars: The Force Awakens deve chegar lá para Dezembro (finalmente!!), com toda a fanfarra e pompa que a nova trilogia da Guerra das Estrelas merece. É engraçado traçar uma cronologia deste realizador em específico, tendo em conta as suas origens, a passagem pela televisão e a inevitável migração para o blockbuster multi-milionário.

87623465 Abrams também co-escreveu e realizou o episódio piloto para o colossal Perdidos (2004-2010), duas horas que funcionam como um magistral paradigma do que um primeiro episódio para o meio televisivo deve ser. É que não cria somente uma estrutura perfeita para os futuros episódios simularem; explora também a dinâmica das personagens e das suas personalidades distintas com subtileza, ao mesmo tempo que preenche a narrativa com mistérios interessantes e propositadamente sub-explorados.

Esta ferramenta, apelidada pelo próprio realizador de mystery boxes, tornar-se-ia a trademark mais conhecida e até malfadada de Abrams. No entanto, aqui é usada com proeza, estabelecendo primeiro a identidade de cada personagem através de flashbacks intrigantes e icónicos do traço característico de cada protagonista, um implemento narrativo que continuou a ser utilizado ao longo da série graças ao argumento de J.J. e Damon Lindelof.

O episódio foi o piloto mais caro da altura (já se passaram onze anos!), custando entre 10 a 14 milhões de dólares. Tal preço deveu-se às rodagens in location em vez de em estúdio, assim como aos efeitos CGI empregados para a belíssima queda do avião 815 que ocorre nos primeiros minutos. Esta tornou-se um ponto de referência para o meio; um marco que transformou o pequeno ecrã numa autêntica tela de cinema durante uns breves e empolgantes momentos. Abrams trouxe a excitação e adrenalina do cinema para a sala de estar, e desde então que a matriz das séries de TV nunca mais foi a mesma.

Apesar de Perdidos ser agora mais conhecida pela sua mitologia hiper-complexa, o episódio piloto (assim como, em larga medida, a primeira temporada) centrou-se mais na sobrevivência do grupo central, nas relações das personagens e no ambiente natural que A Ilha representava. Mas, pelo fim do episódio, a série já havia adensado o lado supernatural das coisas. Um urso polar no meio de uma ilha tropical?! Quem diria!

Muitos dos programas televisivos de alto orçamento que se seguiram e que hoje correm (como Game of ThronesThe Walking Dead) devem muito ao piloto de J. J. Abrams: uma grande peça de ficção que ainda agora se prova como uma tour de force da cada vez mais expansiva visão do realizador americano.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s