Spy e o espião saloio

Este é o ano do Jason Statham. Após fazer o seu típico papel de tough guy em Wild Card (2015), serviu como o vilão mais aleatório da história do cinema em Velocidade Furiosa 7 (2015), e agora estica os seus músculos mais humorísticos em Spy. Não é como se esta faceta do ator não tivesse precedentes: afinal de contas começou a sua carreira nos filmes de crime de Guy Ritchie, onde o melhor ladrão é aquele que faz as piores piadas, e a duologia Crank (2006, 2009) tem o seu quinhão de momentos cómicos (ainda que absolutamente ridículos).

De nadador olímpico a ator auto-paródico, Jason Statham tem das carreiras mais consistentes do cinema contemporâneo. O seu papel como Rick Ford não é hilariante por Statham fazer boas piadas; é-o porque o ator leva a sua persona de mauzão ao extremo, com monólogos à lá Chuck Norris e tudo.

Portanto é pena não ter salvo Spy do seu próprio charme saloio.

6544842Susan Cooper (Melissa McCarthy) é uma analista da CIA que acompanha as missões do 007 residente Bradley Fine (Jude Law) presa a uma secretária. Mas quando o nome de todos os agentes no terreno é difamado por Rayna (Rose Byrne), Susan é a única que pode arregaçar as mangas e derrotar uma ameaça nuclear aos Estados Unidos.

Comecemos pelo melhor: os atores. Adoro Rose Byrne desde que a vi em Bridesmaids (2011): o seu estilo muito próprio de humor deadpan deixa-me sempre com a lágrima no canto do olho de tanto rir, e o seu papel como super-vilã incipiente Rayna Boyanov deixa-a devorar todo o tipo de cenário com as melhores one-liners do filme. Já falei de Jason Statham, mas Bobby Canavale como Sergio de Luca e Peter Serafinowicz como Aldo são também dois excelentes atores secundários que animam todas as cenas em que entram.

Infelizmente, Nancy (Miranda Hart) é excessivamente irritante e desajeitada para justificar o tempo de antena que lhe é dado. Jude Law também é demasiado oco como o agente Fine, e apesar de esse ser o grande propósito da personagem, não resulta tão bem quanto devia. O comentário em relação aos papéis de género nos filmes de ação/espionagem é interessante, mas a paixão adolescente que Susan tem por Fine corta qualquer momento de coerência temática: a personagem de McCarthy é sempre subserviente às suas emoções românticas.

Mesmo assim, Spy é uma comédia incontrolavemente exuberante, com um par de cenas de ação muito bem realizadas por Paul Feig, cuja habilidade atrás da câmara parece ter melhorado desde o seu filme anterior (e inferior) The Heat (2013). McCarthy é uma heroína credível que evolui de analista tímida para agente determinada num par de horas bem construídas, apesar de achar que o filme ganhava com menos um bom pedaço de história.

Este excesso auto-indulgente é uma trademark de Feig, que ao querer enfiar todas as piadas do mundo estende demasiado a narrativa numa busca pelo maior número de gargalhadas possíveis, que nem sempre (quase nunca) resultam num melhor filme. Com efeito, por cada piada original e incisiva temos duas que já nem um riso forçado conseguem arrancar dos espetadores, simplesmente porque a gordura do guião não foi bem cortada.

No fim, a galhofa inerente a um filme tão feel-good acaba por iludir a narrativa desinspirada (chamar-lhe paródia é, em si, risível) e o despropósito absurdo de algumas cenas que, verdade seja dita, até chegam a ser engraçadas. Spy é leve e passa rápido, uma bomba nuclear de diversão com os seus defeitos mas que, em última análise, simplesmente não quer saber.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s