The Flash e Obrigado pelos Peixes!

Nota: Spoilers, claro.

Casamentos, hambúrgers, reuniões de família, tête-à-têtes dramáticos, lágrimas, sorrisos e super-poderes. O que pedir mais deste fantástico season finale de The Flash?

Nada. Absolutamente nada. O episódio é um autêntico espelho da sua primeira temporada: imperfeito em torno das bordas, mas com um núcleo de encher o coração de alegria. O seu tom rejubilante, os efeitos especiais descolados de uma página de BD e as representações magníficas de atores como Jesse L. Martin e Tom Cavangh tornaram o que podia ser uma spin-off barata na melhor série de super-heróis deste ano. Sim, Agents of SHIELD melhorou bastante, Daredevil continua a deter a melhor coreografia de ação e apesar da terceira temporada de Arrow ter sido uma confusão criativa ainda conseguiu os seus bons momentos.

Mas The Flash reuniu tudo aquilo que é particular ao meio dos comics e adaptou-o sem reticências para o mundo televisivo. Longe está a necessidade de justificar tudo com termos reais e de enraizar os poderes de Barry Allen numa explicação pseudo-científica vinda da cabeça do Christopher Nolan. Não, tudo em The Flash é explicado, mas através de termos recônditos ou inexistentes, amálgamas como Speed Force ou multiverso. A série devolveu a palavra ‘diversão’ às adaptações de banda desenhada e por isso lhe estou grato.

56367437Algo que foi bastante desenvolvido ao longo desta temporada foram as figuras paternas de Barry Allen. Joe é sem dúvida aquele que o criou, e parte da sua personalidade amável e determinada foi imprimida em Barry. Mas este não lhe chama pai até aos últimos momentos do episódio; Henry Allen, apesar de estar injustamente atrás de barras, é o único digno da palavra, e notamos que não é a distância física a impedir os laços afetivos de se formarem entre eles os dois.

Porém, Harrison Wells/Eobard Thawne é a verdadeira revelação. O vilão tem o arco narrativo mais complicado da série, alternando entre mentor preocupado, herói relutante e arqui-inimigo vingativo. Tom Cavanagh aproveita cada minuto em cena para devorar cenário, e espero que o ator volte como regular para a já confirmada segunda temporada.

Este trio de figuras é o coração da narrativa, e são os três a guiarem Barry na sua demanda em se tornar um autêntico super-herói, não um fato ambulante com poderes. Para mim, foi esta triangulação de relações a constituir o núcleo emocional da temporada, mais que qualquer parolice amorosa entre Iris/Eddie/Barry, ou a relação demasiado vaga e apressada entre Caitlin e Ronnie.

422

Sempre que o romance entrava na equação, The Flash perdia todo o seu ímpeto: é complicado para nós, como audiência, apoiarmos os sentimentos de Barry por Iris quando ele vê Joe como um pai e não a vê a ela como uma irmã. É uma linha muito ténue por onde caminhar que não foi desenvolvida da melhor maneira. Já para não falar do tempo indecente que Iris passou sem saber a identidade do Flash. É o mesmo problema que tenho com as decisões de Oliver em Arrow: esconder algo de alguém para o proteger não é uma razão plausível quando esse segredo causa mais perigo do que aquele que evita. Custou-me imenso personagens inteligentes como Barry e Joe demorarem mais de uma dúzia de episódios a perceber isto.

Por outro lado, o aspeto mais prodigioso de Fast Enough é a forma como consegue enfiar momentos tocantes entre o elenco inteiro sem retirar a urgência necessária para o clímax do episódio. Todas as relações fecham um ciclo: Cisco com Eobard, Eddie com Iris, Caitlin com Ronnie, Barry com os seus três pais. Mas, mais do que isso, Barry com a sua mãe. As palavras que os dois trocam concedem a Barry aquilo que lhe foi roubado por Eobard: um adeus.

Felizmente não é com um adeus que nos despedimos desta temporada de The Flash. O episódio termina num enorme cliffhanger cataclísmico, mas um que não invalida todos os pequenos momentos sentimentais que lhe antecederam. Acho que é essa a principal distinção entre a série de Barry Allen e a de Oliver Queen: uma desenvolveu de forma clara as suas personagens e criou um final emocionante em todos os aspetos, a outra voltou a forçar a hipotética destruição de Starling City, com todos os seus heróis literalmente espalhados pela cidade sem qualquer âncora afetiva.

Vai custar não ter o velocista escarlate todas as semanas no nosso ecrã, mas esperemos que o tempo voe em velocidade Mach Two até ao Outono.

So long, and thanks for all the fish.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s